22 maio 2013

Dificuldade em matemática, física… Khan Academy


1.11

Quantas mamães vem seus filhos tendo dificuldade nas aulas de matemática, física, química ou biologia? Muitas delas, na tentativa de ajudar, levam seus filhos para aulas de reforço com professores particular, o que a maioria não sabe é que hoje existe um método gratuito que pode ser acessado de qualquer computador com acesso a Internet.

A Khan Academy é uma organização não governamental que tem como objetivo contribuir para a melhoria da educação por meio de vídeo-aulas online disponibilizadas gratuitamente. Além dos vídeos, o site conta com um módulo de exercícios e um painel que permite ao usuário acompanhar seu desempenho e o melhor todo conteúdo é livre.

O fundador da organização, Salman Khan, nasceu e cresceu em New Orleans, Estados Unidos. Formado em matemática, ciências da computação e engenharia elétrica pelo MIT, Khan começou a ensinar matemática para a sua prima Nádia em 2004 com serviços do Yahoo! Logo, outros parentes e amigos procuraram sua ajuda, tornando-se mais prático distribuir suas aulas pelo YouTube. Os vídeos se tornaram tão populares que em 2009 Khan saiu do seu trabalho para se focar integralmente no Khan Academy.

Todo este assunto que mais parece um publi-post e não é,  serve para ajudar as mamães que estejam passando por dificuldades com seus filhos nestas matérias.

Os vídeos são incríveis, super autoexplicativos além de que possuem uma metodologia de ensino que utiliza a criatividade das crianças de forma a tornar os conteúdos sempre mais interessantes.

Fica a Dica,

Bjo, bjo

Saiba mais em : http://www.fundacaolemann.org.br/khanportugues/na-midia.php

 

 


07 maio 2013

Crianças que acordam de mal humor


Hoje vou falar sobre crianças que nem sempre acordam de bom humor, crianças emocionalmente saudáveis tendem a apresentar uma boa qualidade de sono e a acordar “de bem com a vida”. É muito importante que os pais constantemente observem o comportamento de seus filhos. Se alguma coisa mudar, é preciso agir. O primeiro passo é buscar entendimento do motivo pelo qual a criança começa o dia de mal humor. Conversar, dialogar, transmitir segurança e apoio é fundamental. Sentar com a criança, “olho no olho”, falando pausadamente, tom baixo, postura de quem quer entender e ajudar. NÃO CRITICAR. A criança busca nos pais o seu porto seguro.

A comunicação familiar é uma das coisas que sempre precisa funcionar bem. Os pais devem buscar informações sobre a criança com todas as pessoas da casa. Todas precisam interagir e “falar a mesma língua”, no sentido de estarem passando todas as informações aos pais sobre o dia-a-dia da criança. Importante também é avisar a Coordenação da escola e aos professores, mantendo contato estreito com eles. Saber como está o comportamento da criança em sala, seu rendimento na aula, sua performance escolar global e o relacionamento com os colegas e com os professores. Cuidado para não expor a criança com comentários desnecessários na frente de outras crianças.

1.1

Continuar o processo de investigação, levando a criança ao pediatra, pois ela pode estar apresentando algum problema clínico. Alguns pais se desesperam, sentem-se impotentes ou frustrados e não raro passam a hostilizar a criança, como se ela não estivesse bem porque não quisesse ou não tivesse suficiente força de vontade para melhorar. Algumas famílias ficam assustadas e confusas e deixam de ser pró-ativas, ficando re-ativas e com isso podem hostilizar a criança, agravando o seu estado emocional. Críticas, comparações e culpa, podem tornar a dinâmica familiar insustentável e inviabilizar qualquer tipo de melhora ao bem-estar da criança. Quando os pais não estiverem conseguindo lidar com a situação de modo satisfatório, a orientação é que procurem um psiquiatra infantil ou um psicoterapeuta familiar. Geralmente as famílias ficam confusas, sem saberem como agir ou falar com a criança e também precisam de apoio e orientação de profissionais especializados na área.

Quando a dificuldade de acordar da criança é muito grande, qual deve ser o principal motivo? Como os pais devem proceder para minimizar o problema?

Qualquer sintoma pode indicar que alguma coisa não vai bem. É um sinal de alerta, como a luz amarela que acende no painel do nosso carro para avisar que o nível da gasolina está baixo. A dificuldade persistente de acordar pode sugerir muitas coisas. Mas não devemos focar em uma ou outra hipótese. Os motivos podem ser inúmeros, por isso, abrir o leque de possibilidades e ampliar o foco é a conduta ideal nesses casos. Não perder o controle emocional também é fundamental. Muita calma nessa hora. Descartar transtornos físicos é o primeiro passo. Descartar também problema oftalmológico, audição, enfim, checar a parte sensorial da criança.

Mas alterações relacionadas ao sono podem estar ligadas a muitas outras questões. O diálogo assertivo com o seu filho pode ser a sua ferramenta-mestra. O fato de proporcionar um clima de confiança e harmonia (muito importante) à criança melhora a auto-estima e alivia a culpa.

Problemas como depressão, ansiedade, TDAH, medo e timidez são muito comuns em crianças pequenas e podem gerar dificuldades para acordar. Checar a parte relacionada a algum transtorno emocional é obrigatório. Pensar em maus tratos ou algum tipo de ameaça dentro de casa (acontece mais do que podemos imaginar). Observar a reação da criança diante dos cuidadores. Observar a criança como um todo, como ela reage frente as situações e com diferentes pessoas. Muitas crianças são ameaçadas e sofrem caladas por anos a fio.

Mas o problema pode estar na escola. Alguma dificuldade de aprendizagem? Alguma briga com colega? Algum conflito com o professor? Bullying? Investigar, perguntar. Oferecer proteção à criança, lembrando sempre a ela que você está ali e que ela pode confiar e contar com você. Ficar (um tempo) mais presente, mais em casa, pode ser benéfico para você ficar mais sabedora do dia-a-dia da criança. Tudo vale para entender o motivo pelo qual a criança já acorda “de mal com a vida”. Faça uma aliança com a criança para juntos eliminarem os problemas. É importante que a situação seja sanada e que a criança retorne ao seu padrão de funcionamento anterior. Algumas vezes, é preciso procurar ajuda de especialistas como um bom psicólogo.

Bjo, bjo

 

Fonte:  Bolsa de mulher, Guia das dicas, Minha vida


06 dez 2012

Crianças & Esportes


Nos dias atuais para se divertir, a maioria da criançada dedica parte do seu tempo em frente ao computador. Porém, é preciso priorizar o bem-estar físico. Cabe a nós pais incentivarmos nossas crianças desde pequenas a exercitarem o corpo para obterem melhor qualidade de vida no futuro.

Praticar esportes precisa ser diversão ao invés de obrigação. É importante que nós pais tomemos cuidado para não sobrecarregarmos nossos pequenos, pois o excesso de exercícios pode causar problemas na formação dos músculos, já que a infância é período do crescimento ósseo e amadurecimento biológico.

Segundo alguns especialistas para encontrar a atividade mais adequada para cada faixa etária, é importante respeitar o estágio de desenvolvimento neuropsicomotor da criança. Antes de iniciar qualquer esporte, é importante consultar o especialista para uma escolha adequada.

Até completar o primeiro ano de vida, é indicado caminhar e nadar. De 1 a 6 anos, a natação é ideal. Entre 6 e 12, os pais já podem ingressá-la em uma escola de esportes para que ela possa aprender técnicas e regras, verificar suas aptidões físicas e estimular a competitividade.

A natação é uma das modalidades mais indicadas (principalmente para os bebês), uma vez que ajuda a trabalhar o sistema respiratório e melhora o desenvolvimento motor, o equilíbrio e a postura. Os esportes em equipe também devem ser valorizados, pois permitem o acesso à convivência, regras e socialização.

Praticar exercícios físicos em geral auxilia o crescimento, a coordenação e indiretamente no desempenho intelectual, melhorando o reflexo e reação, além do raciocínio lógico e sociabilidade.

Bjo, bjo


29 out 2012

A Falta de disciplina dos filhos


A falta de disciplina nas crianças de hoje em dia, tem gerado uma geração sem limites, mal educada e muitas das vezes inconsequente. Atualmente a lei em diversos países proíbe aos pais de disciplinarem seus filhos e em alguns lugares podem até ser presos dependendo do tipo de punição que aplicarem em suas crianças…. Mas concorda que quando necessário um castigo ou uma palmada quando bem aplicado não faz mal a ninguém?!?

Sem estabelecer limites bem claros os pais não podem futuramente se lamentar por terem filhos rebeldes e muitas vezes mal educados.

Veja abaixo algumas dicas que podem ajudar muito.

Quando os pais devem disciplinar os filhos?

– Sempre que desobecerem.

– Sempre que mentirem.

– Sempre que tratarem os outros com crueldade, desprezo, falta de educação ou malícia.

– Sempre que fizerem manha, gritaria, cara feia, reclamação a troco de nada.

E como disciplinar seus filhos?

– Levar para o quarto (não na frente dos outros) e conversar sobre o ocorrido, explicando o motivo da punição que será aplicada.

– Evitar gritos, sermões e ameaças. Os pais devem permanecer calmos e tranquilos na hora de estabelecerem critérios e limites para seus filhos.

– Se a criança ofender ou bater em alguém, você deverá fazê-la pedir desculpas pessoalmente.

É muito difícil definirmos os limites e estipularmos um “modelo” do que chamaríamos da melhor educação. Amor, carinho, respeito, atenção são alguns dos sentimentos que deverão sempre permear as relações familiares, mas não esqueça que rotina e limites devem ser cumpridos por todas as crianças.

Bjo, bjo


25 out 2012

Avós e netos uma relação de amor


O nascimento de um bebê transforma completamente o dia-a-dia de um lar. Aos compromissos e responsabilidades já existentes, somam-se outras muito distintas: a de educar uma criança em casa além de acompanhar seu desenvolvimento e crescimento. Os prazeres de ter um bebê são muitos, mas não se pode ignorar que o trabalho aumenta e muito!

Em muitas famílias, conciliar trabalho, casa e filhos é uma tarefa que requer muita habilidade e em muitos casos, alguns sacrifícios. A chegada de um bebê não só altera a vida dos pais, mas também a de muitos avós. Poder contar com eles é um recurso muito valioso.

A presença dos avós dá uma segurança a mais para muitas famílias. As mudanças que provocam o nascimento do bebê afetam menos aos pais quando estes podem contar com o apoio de “seus pais”.

Relação dos avós com seus netos

Os avós podem proporcionar uma assistência prática, apoio, e uma cadeia de conselhos úteis para cuidar do bebê. O encontro dos avós com seus netos é sempre muito enriquecedor para ambos os lados. Para muitas crianças é encantador estar com seus avós por diferentes e variadas razões.  Alguns porque ao lado dos avós não existem ordens nem obrigações. Outros porque podem fazer coisas diferentes com eles, como preparar biscoitos, comer doces, fazer passeios, ir ao parque, e realizar uma infinidade de atividades que fazem com que eles se sintam mais livres. Alguns netos veem a seus avós como amigos, uma espécie de guia, divertidos, carinhosos e que fazem tudo estar com eles. Mas, claro, tudo depende da forma de ser dos avós. Há também os que apenas envelhecem e continuam tratando as crianças de maneira autoritária e muito exigente.

Mas, em geral, os avós sentem muito prazer de estar com seus netos. Estar com eles é também uma forma de renovar-se pessoalmente. É ter mais participação na família, sentir-se mais jovens e atualizados. Aprende-se muito com as crianças.

Relação dos avós com os pais de seus netos

Nem sempre se pode dizer que a relação dos avós com os pais de seus netos seja a melhor possível. Infelizmente, podem existir conflitos quanto ao tipo de educação aplicada à criança. As gerações são distintas e diferentes também são os critérios de educação. Os mais jovens não podem mudar o comportamento e atitude dos mais velhos. E os avós não estão mais em fase de receber tais mudanças e aplicarem na educação de seus netos, que em muitos casos divergira das que eles deram para seus filhos.

Os avós dão carinho, atenção, e adoram passar um bom tempo com seus netos. Se os avós vão estar com os netos, o ideal é que haja um acordo entre as partes, para o bem da criança e de todos. Para isso, é necessário que entre os pais e os avós exista uma relação tranquila, sincera, livre de ciúmes, em que reine o respeito às exigências e aos hábitos do outro, lembrando sempre que a obrigação de ensinar esta criança são dos pais e não dos avós!!

Bjo, bjo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Página 2 de 912345...Última »