04 ago 2014

Os riscos do cigarro durante a gravidez


11

Não preciso nem falar que fumar durante a gravidez faz muito mal a saúde do bebê, no entanto infelizmente algumas mães ainda recorrem sobre este erro. Sei que não deve ser nada fácil para uma fumante ter que de uma hora para outra parar com o vício, mas pensando que esta atitude pode prejudicar seu pequeno filho que está por vir já é uma ótima causa.

O pulmão é o órgão que mais sofre com os efeitos do fumo, porque absorve todas as substâncias químicas existentes no cigarro. Algumas dessas substâncias  fazem com que os vasos sanguíneos, que abastecem de sangue o útero, fiquem mais estreitos, o que fará com que o bebê receba menos oxigênio e alimento do sangue, como deveria receber. Como consequência dessa debilidade, o bebê pode sofrer alguns riscos como:

– Pesar pouco ao nascer

– Nascer prematuramente

– Morrer por síndrome de morte súbita

– Desenvolver doenças respiratórias e alérgicas como é o caso da asma. Uma em cada 3 crianças nesse caso sofre de asma.

– Nascer com alguma má formação devido a diminuição dos níveis de vitamina C e B12.

Alguns estudos mostram que uma química potente que causa câncer, chamada NNK, se transmite aos bebês pelas mães que fumam. Outros também relacionam o hábito de fumar durante a gravidez, a que a mãe tenha um bebê com possíveis problemas de conduta e aprendizagem. Foi comprovado também que o consumo de cigarros, também pode provocar um aborto natural, ou uma gravidez extrauterina. Se você fuma e deseja engravidar, deve deixar de fumar antes. Se já estiver grávida, abandone o cigarro o quanto antes. Se em um caso extremo não puder deixar de fumar totalmente, reduza o número de cigarros a menos de três ao dia. Isso pode diminuir os riscos. Se estiver grávida e desejar deixar o cigarro pelo seu bebê, mas não estiver conseguindo, peça ajuda e apoio ao seu médico. O uso de produtos para deixar de fumar, só são permitidos sob orientação médica.

Fumar depois do parto

O fumo não é sadio para um bebê durante sua gestação nem depois do seu nascimento. Os bebês, assim como as crianças expostas ao fumo, têm maior probabilidade de sofrer com resfriados, problemas pulmonares e infecções nos ouvidos. Os pequenos se convertem em fumadores passivos. As gestantes que não fumam devem evitar a fumaça de outros fumantes. A exposição regular à fumaça, mesmo que seja de forma indireta, pode ser prejudicial ao bebê. Por essa razão, a gestante, ainda que não fume, deverá evitar os ambientes onde é permitido fumar.

Quer deixar de fumar?

Não exista motivação maior para uma gestante do que ter um bebê sadio e sem problemas. Se pensar nele, com certeza vai superar a tentação de fumar. Além disso, a gestante precisará tomar algumas decisões como se desfazer dos cigarros, isqueiros e cinzeiros. Procure também se distanciar dos lugares e pessoas que fumam. Peça ajuda e apoio ao seu marido, companheiro e amigos. Peça permissão ao seu médico para utilizar chicletes, medicamentos e outros produtos que possam ajudá-la a abandonar o cigarro. Não desanime se não conseguir evitar fumar. Se for necessário, recorra a alguns programas, alguns oferecidos pelo sistema público. Pense que se o seu bebê nascer com algum problema é provável que se sinta culpada. As consequências psicológicas serão piores para a mãe que fuma.

Não preciso nem falar que fumar durante a gravidez faz muito mal a saúde do bebê, no entanto infelizmente algumas mães ainda recorrem sobre este erro. Sei que não deve ser nada fácil para uma fumante ter que de uma hora para outra parar com o vício, mas pensando que esta atitude pode prejudicar seu pequeno filho que está por vir já é uma ótima causa.

O pulmão é o órgão que mais sofre com os efeitos do fumo, porque absorve todas as substâncias químicas existentes no cigarro. Algumas dessas substâncias  fazem com que os vasos sanguíneos, que abastecem de sangue o útero, fiquem mais estreitos, o que fará com que o bebê receba menos oxigênio e alimento do sangue, como deveria receber. Como consequência dessa debilidade, o bebê pode sofrer alguns riscos como:

– Pesar pouco ao nascer

– Nascer prematuramente

– Morrer por síndrome de morte súbita

– Desenvolver doenças respiratórias e alérgicas como é o caso da asma. Uma em cada 3 crianças nesse caso sofre de asma.

– Nascer com alguma má formação devido a diminuição dos níveis de vitamina C e B12.

Alguns estudos mostram que uma química potente que causa câncer, chamada NNK, se transmite aos bebês pelas mães que fumam. Outros também relacionam o hábito de fumar durante a gravidez, a que a mãe tenha um bebê com possíveis problemas de conduta e aprendizagem. Foi comprovado também que o consumo de cigarros, também pode provocar um aborto natural, ou uma gravidez extrauterina. Se você fuma e deseja engravidar, deve deixar de fumar antes. Se já estiver grávida, abandone o cigarro o quanto antes. Se em um caso extremo não puder deixar de fumar totalmente, reduza o número de cigarros a menos de três ao dia. Isso pode diminuir os riscos. Se estiver grávida e desejar deixar o cigarro pelo seu bebê, mas não estiver conseguindo, peça ajuda e apoio ao seu médico. O uso de produtos para deixar de fumar, só são permitidos sob orientação médica.

Fumar depois do parto

O fumo não é sadio para um bebê durante sua gestação nem depois do seu nascimento. Os bebês, assim como as crianças expostas ao fumo, têm maior probabilidade de sofrer com resfriados, problemas pulmonares e infecções nos ouvidos. Os pequenos se convertem em fumadores passivos. As gestantes que não fumam devem evitar a fumaça de outros fumantes. A exposição regular à fumaça, mesmo que seja de forma indireta, pode ser prejudicial ao bebê. Por essa razão, a gestante, ainda que não fume, deverá evitar os ambientes onde é permitido fumar.

Quer deixar de fumar?

Não exista motivação maior para uma gestante do que ter um bebê sadio e sem problemas. Se pensar nele, com certeza vai superar a tentação de fumar. Além disso, a gestante precisará tomar algumas decisões como se desfazer dos cigarros, isqueiros e cinzeiros. Procure também se distanciar dos lugares e pessoas que fumam. Peça ajuda e apoio ao seu marido, companheiro e amigos. Peça permissão ao seu médico para utilizar chicletes, medicamentos e outros produtos que possam ajudá-la a abandonar o cigarro. Não desanime se não conseguir evitar fumar. Se for necessário, recorra a alguns programas, alguns oferecidos pelo sistema público. Pense que se o seu bebê nascer com algum problema é provável que se sinta culpada. As consequências psicológicas serão piores para a mãe que fuma.

Boa sorte!!

 

Fonte: http://br.guiainfantil.com/


02 jul 2014

A pele do seu bebê


Olá Mamães! Hoje vou falar um pouco sobre alguns cuidados básicos que devemos ter com a pele dos nossos bebês. Sabemos que a pele de nossas crianças são bem mais frágeis e sensíveis do que as nossas, e isso pode acabar se tornando um problema, se não tivermos esta consciência.   Seguem algumas dicas que talvez muitas mamães já saibam, mas que são muito importantes para evitar maiores complicações:

Banhos rápidos, mornos e com pouco sabonete – É aconselhado dar banhos rápidos e usar sabonetes com PH neutro preferencialmente em regiões como umbigo, pescoço, axilas e área das fraldas, evitando irritações e não deixando diminuir a proteção contra bactérias.

Não deixe o bebê com a mesma fralda por muito tempo: a fralda quando utilizada por muito tempo, devido a umidade, pode ocasionar assaduras e infecções, como fungos e bactérias.

Atentar-se ao uso de produtos locais e cremes: Como a pele dos bebês é muito fina, o uso de alguns cremes pode acabar ocasionando efeitos colaterais sistêmicos, é preciso tomar cuidado com todo tipo de reação após aplicar loções e cremes.

Corticoides podem afinar ainda mais a pele, por isso, deve-se  tomar MUITO cuidado com seu uso.

Proteger a pele da luz do sol,  após os 6 meses de idade é importantíssimo fazer o uso diário de protetor solar não só em dias muito quentes, mas também em dias onde a temperatura não está muito alta, pois até a claridade queima a pele do seu pequeno.

Usar roupas confortáveis de malha de preferencia 100% algodão.

Evitar o uso frequente de lenços umedecidos, os lenços umedecidos podem causar irritações em peles mais sensíveis do que o normal, por isso prefira sempre lavar as partes íntimas com algodão e água morna.

São dicas básicas, porém que fazem a diferença. Vale lembrar que algumas mães ao verem reações como vermelhidões preocupam-se em ser a doença de pele psoríase  porém, esta doença só costuma aparecer em criança a partir dos 10 anos e os fatores desencadeantes não são os mal cuidados.

Bjo, bjo

03

 


06 jun 2014

Uso precoce de cosméticos pode causar problemas de pele nas crianças


Mamães, leiam o texto a seguir…

“… Meninas cada vez mais novas se rendem ao esmalte nas unhas e maquiagem no rosto. Afinal, é natural que as crianças queiram fazer as mesmas coisas que os pais fazem. Além disso, há vários produtos no mercado com apelo ao público infantil e que chamam a atenção das crianças. Mas o uso desses produtos tão cedo pode trazer sérios problemas para a saúde das pequenas.

A dermato-pediatra Angélica Vasselai alerta para alguns riscos, já que a pele, assim como todo o resto do corpo e do organismo, ainda não está totalmente desenvolvida na infância. “A pele é muito fina e sensível, por isso produtos cosméticos ou de higiene que não sejam específicos para crianças podem acarretar em alergias e dermatites. O uso precoce de maquiagens e esmaltes contribui para a ocorrência destes problemas nas crianças”. Ela lembra ainda que mesmo que não apareça nenhuma reação logo após o uso, os malefícios podem surgir em longo prazo. “Muitas vezes, somente depois de várias exposições é que ocorre a reação”, explica.

Para a psicóloga infantil Maria Eduarda Vasselai além dos problemas de saúde, o uso de cosméticos pode fazer com que os pequenos se tornem adultos antes do tempo. “É muito importante preservar a infância. Utilizar maquiagem descaracteriza esse período tão importante da vida. As meninas vão ter muito tempo para pintar as unhas e passar sombra nos olhos, entre outros produtos”, avalia.

As duas especialistas recomendam o uso moderado desse tipo de produto. “De vez em quando, em uma brincadeira, é possível utilizar com bom senso, por exemplo, adesivos decorativos nas unhas ou um gloss labial infantil”, comenta Angélica. É importante ressaltar, ainda, que esses cosméticos devem ser inspecionados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e próprios para crianças.”O ideal é que elas utilizem apenas produtos específicos para a idade delas, com protetor solar, por exemplo”, completa a dermato-pediatra…”

Alguns cuidados, inofensivos fazem com que sua criança tenha uma infância muito melhor!

Bjo, bjo

AAAAAAA

Fonte: http://www.melz.com.br/


19 maio 2014

A importância do ácido fólico


folicoG

Mamães hoje vou falar de um tema recorrente aqui no Blog, e muito importante que é a ingestão de ácido fólico no pré e durante a gestação. Eu fiz uso dele e super indico, para mamães assim como eu que querem o melhor para seus bebês. – O ácido fólico é uma das vitaminas do complexo B, que ajuda no crescimento das células e na produção do DNA. Essa vitamina é especialmente necessária na etapa de crescimento, na adolescência e durante a gravidez. A vitamina B9 ou ácido fólico tem um papel fundamental no processo de multiplicação celular, portanto, é muito necessária durante a gestação porque é essencial para a produção dos tecidos e para a formação dos órgãos do embrião e do feto.

A importância do ácido fólico na gravidez

Alguns estudos mostram que as mulheres que consomem a quantidade de ácido fólico recomendada pelo médico, antes e durante os primeiros meses da gravidez, podem reduzir o risco de dar a luz a um bebê prematuro com baixo peso ao nascer ou com doenças no cérebro (anencefalia, quando o bebê nasce sem o cérebro ou somente com parte do mesmo, e não pode viver), na coluna vertebral (espinha bífida, quando a coluna do bebê não se forma corretamente) e no lábio leporino e palato (lábio leporino).

Tomar ácido fólico antes da gravidez é fundamental para a prevenção dessas doenças, que se desenvolvem subitamente após as três ou quatro semanas depois da concepção.

Reduz o risco de espinha bífida

Tomar ácido fólico é uma medida de prevenção simples e tem uma eficácia comprovada. Diversas pesquisas demonstram que previne em 78% a espinha bífida no feto. A espinha bífida é uma malformação congênita relativamente comum caracterizada por um fechamento incompleto do tubo neural (tecido embrionário que dá origem a coluna vertebral). Essa circunstância pode se produzir nas primeiras semanas de gestação, antes que o teste de gravidez dê positivo. Por isso, se a mulher busca engravidar, deve consultar o médico e tomar ácido fólico. Antes da gravidez, recomenda-se tomar suplementos de 0,4 mg de ácido fólico por dia, e se já estiver grávida, uns 6 mg de ácido fólico por dia, sempre com orientação médica.

Alimentos ricos em ácido fólico

A ingestão de ácido fólico não só beneficia o bebê, mas também pessoas de todas as idades. O ácido fólico cumpre um papel importante na produção dos glóbulos vermelhos, e por essa razão, beneficia quem sofre de anemia. Está comprovado que o ácido fólico pode reduzir o risco de doenças cardíacas, derrames cerebrais e de alguns tipos de câncer.

Essa vitamina se encontra principalmente em vegetais de folha verde, frutas cítricas, feijão e verduras. Os alimentos que mais contêm ácido fólico são: laranja, banana, brócolis, espinafre, ervilha, aspargos, amendoim, lentilhas e fígado de galinha. Outros alimentos com a farinha, o arroz, massas e os cereais podem conter ácido fólico acrescentado na sua fabricação. Se olhar o rótulo das embalagens, poderá saber a quantidade de ácido fólico que contém.

Suplemento vitamínico para a grávida

O ácido fólico, como todas as demais vitaminas, pode ser ingerido mediante alimentos ricos nessa vitamina ou através de suplementos. Para ingerir a quantidade de ácido fólico recomendada pelos especialistas, é preciso que:

1. Tome um suplemento vitamínico com ácido fólico que contenha 400 mg dessa vitamina.

2. Inclua em sua dieta diária, cereais enriquecidos com ácido fólico.

3. Aumente o consumo de alimentos com ácido fólico (massa, cereais, pão ou arroz).

4. Organize sua dieta para que inclua uma variedade de alimentos ricos em ácido fólico.


07 maio 2014

Segurança em Casa


Olá Mamães,

As vezes ficamos tão preocupadas com o mundo lá fora que esquecemos de ficar de olho do que pode acontecer debaixo dos nossos narizes. A nossa casa é um perigo enorme para os nossos pequenos e muitas vezes ficamos confiando que apenas “proibindo” vamos conseguir deixar as crianças longe do perigo mas não é bem assim.

Experiência própria: Como estou me acostumando agora com a independência do Bernardo que fica andando de lá pra cá o tempo todo, é eu desgrudar os olhos que os dedinhos dele parecem que são atraídos para a tomada e o lugar que ele mais gosta de ir é a cozinha! Sem contar todas as portas que ele fica abrindo e fechando e meu medo que acabe fechando a própria mão em uma dessas! O pior é que basta um piscar de olhos para essas encrencas surgirem!

A seguir vou trazer algumas dicas do que pode ser feito para deixar a sua casa mais segura.

tomada1. Tomada 

A tomada trás dois problemas: a tomada desocupada e a tomada conectada a algo. Na tomada “vazia” a criança pode colocar os dedos ou pior, inserir objetos. Para evitar esse problema, vc pode comprar protetores de tomada, eles devem ser resistentes e difíceis de serem retirados. Já quando temos algo ligado à tomada a preocupação deve ser o fio, as vezes a criança acaba puxando e pode derrubar um objeto em cima dela, além é claro do risco do choque.

2. Berço/Cama

A criança deve deixar de usar o berço quando já tiver altura suficiente (a partir de 90cm) ou quando já conseguir ficar em pé e escalar a grade ou balançar tentando sair. Esse sinais indicam que a criança já tem força suficiente para sair do berço quando quiser e isso as vezes pode ocasionar uma lesão.  Até os 6 anos de idade é indicado que a Cama possua uma grade lateral isso, para impedir que a criança caia durante a noite. A principio o ideal é manter as grades em toda a lateral e a medida que a criança se acostumar com aquele espaço, a grade pode ser reduzida pela metade.

janela   3. Janelas 

As famosas redes de proteção são super necessárias. O que vale aqui é que as vezes mesmo o        que vc considera baixo para uma criança é alto. Por isso, grade ou rede de proteção em todas      as janelas! Para manter sempre segura as redes devem ser trocadas de 3 em 3 anos.

 

4. Armários/Gavetas trava

Para evitar que os seus pequenos abram armários e  gavetas e prendam os seus dedinhos, existem travas próprias. A trava que pode ser adesiva, ou em outros formatos, deixa a abertura mais resistente para as crianças mas não impede a manipulação pelos adultos. Isso evita não só o abre e fecha como reduz a possibilidade dos pequenos terem acesso a alguns objetos guardados.

5. Portas

Além do abre e fecha que pode ser prevenido da mesma forma que as gavetas (travas) um aspecto importante da porta é não deixar as chaves nas fechaduras, isso evita que a criança se tranque acidentalmente em um cômodo. Caso isso ocorra, tenha sempre uma chave reserva de todos os cômodos e deixe fora do alcance de crianças.

6. Quinas

Quinas de mesas, prateleiras e armários são um perigo para os pequenos que estão em fase de crescimento e ainda não sabem que podem bater. Evite galos e cortes, colocando protetores nesses pontos. Assim se o choque não for evitado pelo menos a intensidade dele será menor.

detergente   7. Medicamentos/Produtos de Limpeza

Esses produtos devem ser colocados em locais mais altos e de difícil acesso às crianças, evitando     locais mais baixos (mesmo que com travas). Melhor ainda é escolher armários em que o conteúdo   não fique visível. É importante manter os produtos em suas embalagens originais para que a              criança se familiarize com eles nunca colocando em locais onde ela possa confundir (como em    garrafas pet por exemplo).

 

8. Fogão

Lugar de criança não é na cozinha enquanto ela esteja em uso! Panelas devem ter os cabos voltados para dentro do fogão e de preferência utilize panelas com o cabo mais curto. O forno também pode causar queimaduras, já que a porta mantém a temperatura alta mesmo depois de o alimento estar pronto, portanto, mantenha os pequenos longe de lá! Travas no forno também ajudam a evitar acidentes mesmo com eles quentes

Pessoal, essas foram algumas dicas para deixar a casa mais segura para os nossos pequenos, mas bom mesmo é sempre ficar de olho!

Bjo, bjo.

 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Página 4 de 16« Primeira...23456...10...Última »