22 dez 2011

Guia para as mamães


Chris Flores lança o livro ” Um bebê em casa” , nele você poderá encontrar as principais questões que surgem a partir do momento em que a mulher descobre que está grávida até o primeiro ano de vida do bebê.

Para responder a todas estas dúvidas Chris usou sua experiencia materna e tb contou com um grande time de especialistas. Um dos temas mais falados é o da amamentação, isso porque Chris teve assim como muitas outras mães muita dificuldade quando amamentava seu filho Gabriel hoje com 5 anos.

A venda nas melhores livrarias de todo o Brasil, por apenas R$27,90, vale a pena a leitura!!

Bjo, bjo


20 dez 2011

Dicas de como prevenir enjoo em seu pequeno


Com a chegada do final do ano a grande maioria das famílias saem de férias, normalmente estas viagens são de carro ou de avião… O que muitas vezes não se espera é ter que contornar aquele mal estar que a maioria da criançada enfrenta com estas longas distâncias.

Para evitar isso, prefira alimentar seu pequeno com alimentos leves e durante o trajeto de preferencia não o alimente. Se ele sentir sede dê apenas água, outras bebidas podem gerar enjoo por causa do aroma. Se a viagem for de carro mantenha-o bastante ventilado e experimente viajar a noite ou bem cedo, pois o sono diminui as possibilidades da criança passar mal.

Boas férias e aproveite bastante.

Bjo, bjo

 


14 dez 2011

Causas do deslocamento prematuro da placenta


Muitas mamães passam por isso, o que dificulta muito o andamento da gravidez e principalmente o parto. Mas a real causa do deslocamento acontecer ainda é desconhecida. Determinadas condições podem aumentar a chance disso ocorrer:

- Danos físicos a mãe, como aqueles resultantes de acidente de carro;

- Cordão umbilical curto;

- Súbita alteração do tamanho do útero (resultante do parto ou ruptura das membranas);

- Hipertensão arterial;

- Deficiência na Dieta;

- Anormalidade uterina, como uma faixa de tecido no útero onde a placenta não é capaz de se ligar de modo apropriado;

- Cirurgia anterior do útero (remoção de fibroses) ou dilatação e curetagem para aborto.

Estudos também indicam que a deficiência de ácido fólico pode contribuir para o deslocamento prematuro da placenta. Outros sugerem que o tabagismo materno e o consumo de álcool podem aumentar as probabilidades de uma mulher apresentar o deslocamento prematuro da placenta.

Uma mulher que já teve deslocamento prematuro da placenta no passado apresentar maior risco de recorrência, cujo índice tem sido estimado até 10%. Isso pode tornar de alto risco uma gravidez seguida da outra que apresentou deslocamento prematuro anteriormente.

Cuide-se afinal a sua saúde e a de seu bebê devem vir sempre em 1º lugar.

Bjo, bjo

 


08 dez 2011

Assaduras, como evitar?


As assaduras representam um risco baixo a saúde, mas incomodam muito os bebês e atormentam mais ainda os pais.

A assadura é uma reação inflamatória da pele desencadeada pelo contato com substâncias irritantes produzidas por urina e fezes retidas na fralda. Não por acaso, também é conhecida como dermatite de fralda, um problema bastante comum em bebês. Diversas causas contribuem para o desenvolvimento da assadura – caracterizada principalmente por vermelhidão e irritação, que pode evoluir para descamações, erupções e até sangramentos, em casos mais raros. A umidade da fralda suja favorece a absorção das toxinas irritantes a pele do bebê. Já a fricção ajuda a esfolá-la. E tanto a falta da luz solar quanto o calor contribuem para a proliferação de alguns fungos intestinais, que também podem provocar assaduras.

O que fazer para prevenir ?
Evite o uso de lenços umedecidos para limpar o bebê. Prefira água morna e algodão. Pelo menos até os 9 meses, vale a pena deixar uma garrafinha térmica com água e um pote com algodão junto ao trocador. Lenços, somente quando for sair.

Os cremes preventivos, a base de óxido de zinco, também são fundamentais para evitá-las, pois funcionam como uma barreira mecânica as substâncias causadoras da irritação. Passe em cada dobrinha sempre que trocar a criança, o que deve acontecer de oito a dez vezes por dia, nos bebês mais novos. Aliás, toda vez que for possível, procure deixar seu filho alguns minutos sem fralda. Se o bebê ainda mama no peito, é recomendável que a mãe evite alimentos muito ácidos ou condimentados. O mesmo vale para bebês que já ingerem sólidos. Frutas ácidas, como abacaxi, morango, laranja e pera, podem favorecer as assaduras.


07 dez 2011

Calendário de Vacinação


Vacinar seu filho é a melhor forma de protegê-lo de doenças graves. Veja abaixo todas as vacinas necessárias até ele fazer 6 anos.

Ao nascer: BCG – dose única – Formas graves de tuberculose

Hepatite B – 1ª – dose Hepatite B

1 mês: Hepatite B – 2ª – dose Hepatite B

2 meses: Vacina tetravalente (DTP + Hib) – 1ª dose – Difteria, tétano, coqueluche, meningite e outras infecções causadas pelo Haemophilus influenzae tipo b

VOP (vacina oral contra pólio)- 1ª dose – Poliomielite (paralisia infantil)

VORH (Vacina Oral de Rotavírus Humano) – 1ª dose – Diarréia e desidratração causada por rotavírus
Antipneumocócica Conjugada Heptavalente- 1ª dose – Meningite pneumocócica, pneumonia, sinusite

3 meses: Antimeningocócica C Conjugada – 1ª dose – Meningite Meningocócica C

4 meses: Vacina tetravalente (DTP + Hib) – 2ª dose – Difteria, tétano, coqueluche, meningite e outras infecções causadas pelo Haemophilus influenzae tipo b

VOP (vacina oral contra pólio) – 2ª dose – Poliomielite (paralisia infantil)

VORH (Vacina Oral de Rotavírus Humano) – 2ª dose Diarréia e desidratação causada por rotavírus

Antipneumocócica Conjugada Heptavalente – 2ª dose – Meningite pneumocócica, pneumonia, sinusite

5 meses: Antimeningocócica C Conjugada – 2ª dose – Meningite Meningocócica C

6 meses: Vacina tetravalente (DTP + Hib) – 3ª dose – Difteria, tétano, coqueluche, meningite e outras infecções causadas pelo Haemophilus influenzae tipo b

VOP (vacina oral contra pólio) – 3ª dose – Poliomielite (paralisia infantil)

Hepatite B – 3ª dose – Hepatite B

Antipneumocócica Conjugada Heptavalente – 3ª dose – Meningite pneumocócica, pneumonia, sinusite

Influenza – 1ª dose – Gripe

7 meses: Influenza – 2ª dose – Gripe

9 meses: Febre amarela – dose única – Febre amarela

12 meses: SRC (tríplice viral) – dose única – Sarampo, rubéola e caxumba

Hepatite A – 1ª dose – Hepatite do tipo A

Varicela – 1ª dose – Catapora

15 meses: VOP (vacina oral contra pólio) – reforço Poliomielite (paralisia infantil)

DTP (tríplice bacteriana) – 1º reforço Difteria, tétano e coqueluche

Antipneumocócica Conjugada Heptavalente – reforço Meningite pneumocócica, pneumonia, sinusite

18 meses: Influenza – anual – Gripe

Hepatite A – 2ª dose – Hepatite do tipo A

4 – 6 anos: DTP (tríplice bacteriana) – 2º reforço Difteria, tétano e coqueluche SRC (tríplice viral) – reforço Sarampo, rubéola e caxumba

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Página 30 de 59« Primeira...1020...2829303132...4050...Última »