08 ago 2013

Os benefícios da amamentação para a mamãe


1.1b

A amamentação traz muitos benefícios não só para o bebê mas para a mamãe também. O leite materno possui nutrientes e enzimas equilibradas, com muitas substâncias imunológicas, fundamentais para a criança e sua mãe. Este momento é fundamental para diminuir a ansiedade dos dois: mamãe e bebê. Além do principal que é o alimento, há um contato muito íntimo entre mãe e filho, que serve como calmante para ambos.

Sempre se fala da importância do leite materno para o bebê, mas quase nunca ouvimos comentários sobre os benefícios deste para a mamãe.

Vantagens do aleitamento materno para as mães

- O útero recupera seu tamanho normal, diminuindo assim a possibilidade de hemorragia ou anemia para a mamãe.

- Diminui o risco de diabetes.

- Auxilia na produção do maior número de hormônios para que seu corpo volte ao normal.

- Protege a mãe de doenças cardiovasculares (dado segundo a Universidade de Pittsburgh).

- Mais prevenção contra o câncer de mama e ovário.

- Segundo o Ministério da Saúde pode ser um método anticoncepcional, desde que a mãe esteja amamentando sem distinção de horário (dia e noite) e ainda não tenha menstruado.

- A amamentação queima calorias e em pouco tempo a mulher pode voltar a ter seu peso anterior à gravidez.

Como deve ser feita a amamentação

- A mãe necessita evitar jejuns e não ficar  sem alimentar durante muito tempo. Realizar suas refeições em pelo menos 6 vezes ao dia.

- Deverá beber muito líquido como água e sucos naturais, pois a boa produção de leite está relacionado a esta ingestão.

- Alimentar-se com bastante vitamina A (peixe, frango, fígado, ovos, manteiga, margarina, algumas frutas e legumes), vitamina C (por exemplo encontrada na laranja e limão), cálcio (leite, iogurte e queijos) e ferro (obtido na carne vermelha).

Nos primeiros dias a criança não terá um horário definido para sua toma, nem uma quantidade de leite estabelecida.  Portanto a mãe deve estar ao seu lado e dar o leite sempre que solicitado. O bebê estará saciado quando não quiser mais o leite. É diferente um organismo de um bebê para outros, assim que é comum que alguns tenham mais fome que os demais.

A mamãe deve estar sempre preparada para amamentar seu filho, um ato de amor sem limites. Mas para que a criança esteja mais tranquila, o ideal é buscar um lugar silencioso, calmo, onde a mãe tenha uma boa postura e esteja bastante confortável. Em geral nos hospitais ou clínicas de parto as mães recebem as primeiras instruções de como dar leite ao seu filho. Também deverá ter o estímulo de familiares, amigos que possam acompanhá-la neste momento tão solene e importante para ela e seu filho.  A amamentação fortalece o vínculo entre mamãe e recém-nascido aumentando sua relação de confiança e carinho.


15 mai 2013

Sexo pós parto


BC0896-001

Muitas mulheres passam pela queda da libido e a diminuição da vontade de fazer sexo após o parto. O desconforto dos pontos no caso de parto de Cesária, ou até mesmo a indisposição e o cansaço por conta da nova rotina com o bebê são fatores que diminuem ainda mais a vontade da mulher manter relação sexual. Abaixo vocês verão algumas dicas que poderá ajudar neste momento.

O sexo no pós-parto pode mudar e ser menos prazeroso?

A libido da mãe e do pai pode ser alterada pela rotina da casa, que passa a se pautar pelos choros do recém-nascido e pelas novas preocupações. Assim, a disponibilidade e a importância dada para as relações sexuais mudam e interferem na dinâmica do casal. Fisiologicamente, o sexo no pós-parto não é menos prazeroso. Há relatos de casais que consideram exatamente o oposto. Mas para isso é importante que marido e mulher tenham, além do planejamento de ter um filho, o hábito de conversar a respeito do que eles podem fazer para preservar a vida a dois. E, atenção, o carinho, a cordialidade e a capacidade de se colocar no lugar do outro devem fazer parte do relacionamento.

É normal a lubrificação diminuir?

“Após o parto, os níveis hormonais da mulher ficam mais baixos e isso faz com que a mucosa vaginal fique ressecada e menos lubrificada”, explica Eduardo da Motta. A própria prolactina, o hormônio que tem a função de estimular a produção de leite, não ajuda muito e pode inibir a libido da mulher e, por consequência, a lubrificação. Enquanto a mãe estiver amamentando, esse quadro pode se prolongar.

É normal sentir dor nas primeiras relações?

A dificuldade na lubrificação pode dificultar o sexo e às vezes causar dor e desconforto. A tendência é que, com o retorno da menstruação, os hormônios se estabilizem e o sexo volte a ser prazeroso do início ao fim.

As relações podem ser dolorosas e boas, alternadamente? O que pode estar gerando o desconforto esporádico?

Depois que o corpo está recuperado do parto, não existe uma razão física para sentir dor. O problema, em geral, está ligado à redução da libido. E essa diminuição tem muitas causas, como as noites sem dormir, o cansaço, a baixa autoestima por causa da insatisfação com o corpo – flacidez no abdômen, excesso de peso. Agora, se você perceber que seu prazer reduziu – e muito -, vale a pena procurar a ajuda de um especialista.

Existem tratamentos, remédios e formas de contornar a situação?

Até que os hormônios se estabilizem – e isso costuma acontecer com o retorno da menstruação -, o casal pode lançar mão de produtos lubrificantes vaginais. Exercícios físicos e de relaxamento também são aliados da libido.

Existem posições mais indicadas para essa fase?

Não. Existem as posições em que o casal se sente mais confortável.

Durante uma relação, o leite pode jorrar? Como lidar com isso?

A reação a esse e a muitos outros imprevistos que surgem na vida vai depender do casal e do relacionamento que foi construído antes mesmo de se pensar na gravidez. Há quem veja o leite jorrar durante o sexo com naturalidade e quem ache nojento. Mas uma dose de bom humor e cumplicidade é essencial e faz com que ambos superem tais situações com facilidade.

E quando o marido perde o interesse por sexo?

Não é só a mulher que enfrenta desafios no pós-parto. O homem passa por uma revolução – menos hormonal e mais emocional. Com a chegada do pequeno, ele assume um novo papel, o de pai. E, para muitos, mãe e sexualidade não combinam. “No imaginário ocidental, a maternidade não combina com o sexo. Essa divisão de sexo como pecado, como algo negativo, acaba não batendo com a pureza cobrada da maternidade”, explica Theo Lerner, ginecologista e especialista em sexualidade do Instituto Paulista de Sexualidade. Para completar, o bebê vira o centro das atenções e, por consequência, não raro maridos e companheiros se sentem abandonados pelas mulheres. Aos homens, sobra frustração. E esse cenário só muda e evolui com um remédio: o diálogo franco, sincero e respeitoso.

O que fazer quando o sexo é interrompido pelo choro do bebê?

De fato, poucas coisas cortam o clima de um casal como um choro de criança. O ideal é investir em uma aproximação em momentos em que o bebê esteja dormindo. Mas, como todos sabem, os pequenos podem ser imprevisíveis. Por isso, a saída é contar com uma rede social de apoio (babá, mãe, sogra e afins) para conseguir um tempo para o casal namorar. Caso nada disso seja possível – e ele gritar na hora H -, resolvam o problema da criança e, se houver vontade e interesse, voltem de onde pararam. Sem grandes dramas, é preciso levar a vida com leveza!

Bjo, bjo

fonte: bebe.abril.com.br


14 mai 2013

Theraline, um sonho para qualquer grávida


Mamães vocês já devem ter visto este travesseiro em um monte de publicação pela web, não é mesmo? Infelizmente o Theraline, não é vendido aqui no Brasil, uma penna, pois a maioria das mulheres, principalmente as que estão no final da gravidez amariam trocar seus maridos por travesseiros como este rs rs rs.

Como o blog também tem a finalidade de ajudar muitas das mamães a solucionar problemas, esta semana comprei enchimento de almofada, tecido 100% algodão e pedi para a minha costureira fazer um igual a estes para mim. Como não achei as medidas eu fiz o meu com 1,20 metros de comprimento e 35 de largura. Para deixá-lo mais maleável, não udei muito enchimento, caso contrário poderia ficar muito rigído e dificultar a noite de sono. Vamos ver como vai ficar o resultado final, e se ficar bacaninha em breve o blog comercializará este sonho de consumo de qualquer gestante.

Bjo, bjo

Bjo, bjotheraline1 theraline2 Theraline3 theraline5 theraline4


01 mai 2013

O que vc entende por puerpério


1

O tão importante e conhecido pré-natal é essencial para uma gestação tranquila. Mas, tão importante quanto ele e muito menos comentado, o puerpério é o grande responsável por garantir a saúde da mamãe após o parto, para poder assim se dedicar integralmente aos cuidados que o recém-nascido exige.

Esse período é relativamente curto: tem duração de 42 dias, começando imediatamente depois do nascimento do bebê e deve ser acompanhado e guiado de perto pelo médico. “Durante esse tempo, o corpo da mulher retorna à sua fisiologia normal, ou seja, deixa aos poucos as mudanças sofridas ao longo da gravidez”, explica a ginecologista e obstetra Dra. Camila Barião.

A primeira alteração deve acontecer nos primeiros minutos do puerpério. Segundo a especialista, o útero deve contrair com eficiência para evitar sangramentos excessivos, que acontecem em geral na primeira hora após o parto. Este período deve ser rigorosamente observado. O útero aos poucos volta ao seu tamanho normal. Ocorre sangramento que no início (primeiros três dias, em média) é vermelho vivo, fica escurecido e vai se tornando uma secreção amarelada, esbranquiçada, até desaparecer.

Outra mudança no corpo é quanto à menstruação. Isso porque durante a amamentação, os hormônios responsáveis pela produção de leite podem interferir no ciclo menstrual. Por conta disso, muitas mulheres ficam longos períodos sem menstruar nesta fase, ou com a menstruação irregular.

Também durante esse tempo a mulher não deve ter relações sexuais, para evitar o aumento do risco de infecção. Além disso, é aconselhável descansar, se alimentar bem e se manter bem hidratada para conseguir amamentar o bebê. A mamãe deve usar um sutiã com boa sustentação e evitar rachaduras nos mamilos com pomadas específicas.

Bjo, bjo

 

Fonte: Bolsa de mulher


11 mar 2013

Cinta pós parto, eu uso e você?


A maioria das mulheres modernas acha que a cinta pós-parto é coisa da época da vovó, uma relíquia do passado… mas será que é mesmo?

Os benefícios das cintas são uma benção para toda mulher, elas são desenvolvidas para fazer a mulher se sentir melhor além de ter uma aparência melhor ao usá-las logo após o parto. Elas ajudam a melhorar a postura, além de contribuir e MUITO para o caimento das roupas, visto que dias após o parto você não tem mais um bebê ai dentro, mas a barriga infelizmente não sumiu!

Para as mamães que se submeteram a uma cesariana, as cintas também podem ajudar na recuperação, protegendo a sua incisão e aumentando a sua mobilidade.

Desde que você encontre uma que seja confortável e acessível, a única desvantagem real de usar uma cinta, é você esquecer que para voltar a ter corpo de antes da gravidez também é importante fazer exercícios e seguir uma dieta saudável.

Eu particularmente tenho sofrido um pouco, pois o calor de São Paulo está de matar, para não ficar sem nenhum tipo de compressão quando está muito quente uso apenas uma calcinha mais alta que vem até a cintura. E pelo menos algumas horas do meu dia eu coloco a cinta que vai até embaixo do sutiã.

Essas são as que eu uso… A calcinha mais alta e esta bermudinha da SCALA ajuda muito pois o quadril também aumenta consideravelmente na gravidez e ela comprime as laterais além de dar uma empinada no bumbum.

A A22Vejam outros modelos, na minha opinião quando mais alta melhor.

A2.1

A1

A1.2

A1.3

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Página 3 de 1012345...10...Última »