05 nov 2014

Vem chegando o verão…


AAA

É chegada a época mais esperada do ano. Praia, piscina, sol, calor e muita diversão. As atividades ao ar livre são estimuladas. Pessoas passam cada vez mais tempo embaixo do sol. Aí surgem diversos problemas, não somente com relação à pele como também com relação à saúde como um todo.

Precisamos ter cuidado com o corpo e com o bem estar o ano inteiro. No entanto, durante o verão e o inverno a atenção deve ser ainda maior. Estes períodos são críticos e famosos por levar a transtornos de saúde. Entretanto, ficar protegido é muito fácil.

O aquecimento global tem feito com que as temperaturas atinjam níveis até então nunca sentidos. A exposição solar é talvez um dos fatores mais preocupantes. Além disto, a baixa umidade faz com que nos desidratemos mais rápido. Bebês e crianças merecem atenção redobrada e alimentos estragam sem percebermos, deixando-nos vulneráveis a intoxicações alimentares.

É, verão não é só diversão. Ter cautela é imprescindível. Portanto, chegada esta época considere tomar algumas atitudes para proteger a sua saúde e a saúde da sua família. Não basta passar apenas protetor solar. Uma série de outras medidas necessita ser tomada. Informação é tudo, portanto, leia atentamente o que vem a seguir.

Dicas de saúde para o verão

As mais importantes dicas de saúde para o verão envolvem hidratação, alimentação, cuidados com o sol e com a praia em geral. Manter o compor bem nutrido nesta época é fundamental, daí o destaque para a hidratação e para a alimentação.

Os riscos trazidos pelos raios solares já é de conhecimento de todos. Eles provocam o câncer de pele, envelhecem, ressecam e causam manchas. Além disto, é preciso também ter atenção ao estado da praia que você irá frequentar. Uma série de doenças é transmitida através do contato com a areia, com água e com animais, portanto, tenha cuidado.

Mantenha-se hidratado

Nos dias mais quentes perdemos uma quantidade maior de líquidos e de minerais, pois a temperatura corporal fica alta e transpiramos excessivamente. Devido a esta perda é preciso trabalhar na recuperação, principalmente através do consumo de água.

A sede é um sinal de que o organismo está desidratado, portanto, nunca desconsidere este aviso. Beber água com frequência é fundamental no verão. Adquira o hábito de levar uma garrafinha para aonde for. Beba água fresca e em pequenas quantidades.

As frutas também são muito importantes nesta luta, já que são alimentos ricos em minerais e em água, assim como as verduras e os legumes. A água de coco pode e deve entrar na jogada. Sucos de frutas e chás auxiliam da mesma forma na hidratação. No entanto, não adicione açúcar e opte pelos chás descafeínados ou de ervas.

Para tornar a ingestão da água ainda mais prazerosa existem alguns artifícios. A água por si só já é uma delícia e não engorda. Adicionando hortelã ou cascas de limão siciliano no líquido fica ainda mais gostoso. Portanto, não se esqueça: não tem melhor aliado de homens e de mulheres do que a água. Pode consumir à vontade, pois faz muito bem.

Cuide da alimentação

É fundamental ficar atento ao que comemos, seja no verão, no inverno, no outono ou na primavera. Nosso corpo é o que temos de mais precioso e precisaremos dele para a vida inteira, por isto, cuide bem do que é seu.

Durante o verão é preciso ainda mais atenção à alimentação. As altas temperaturas fazem os alimentos estragarem facilmente. Além disto, o ambiente se torna propício para a proliferação de fungos e de bactérias, causadores de uma série de doenças.

Dê preferência a frutas e saladas, já que estes itens podem ser consumidos na hora e são de fácil preservação. Evite comidas muito quentes e apimentadas, assim como frituras ou doces. As frutas, os legumes, as verduras e as saladas são ricos em fibras e ajudam o intestino a funcionar melhor. Desta forma a barriguinha vai estar sempre sarada. Nada de inchaço nesta hora.

Evitar bebidas alcóolicas também é importante, pois estes líquidos favorecem a desidratação. Ninguém quer passar o verão de cama, quer? Portanto, coma e beba coisas que te façam bem. O corpo agradece.

Proteja a pele

É sabido por todos que o sol causa câncer de pele. Além disto, os raios solares provocam o envelhecimento precoce, manchas, queimaduras, alterações de cores e ressecamento.

Não se deve permanecer sem proteção exposto ao sol no horário que vai das 10 horas da manhã às 16 horas da tarde. O uso do protetor solar é fundamental, pois os raios incidem constantemente na Terra, com mais intensidade neste período.

Faça uso de bonés, chapéus e do que puder para se proteger. As barracas e o guarda-sol não impedem totalmente a penetração dos raios, portanto, mesmo estando debaixo destes ainda assim faça uso de protetor. Este deve ser reaplicado a cada duas horas no mínimo. Pessoas com pele mais clara devem utilizar protetores com maior fator. O cálculo a ser feito é o seguinte: usando um com fator 10 significa que você irá queimar em um tempo 10 vezes maior o que queimaria sem o uso do mesmo. Fique atento a esta dica.

Mantenha-se longe das doenças de verão

Algumas doenças são consideradas de verão por surgirem com mais frequência nesta época do ano, por isto é importante o cuidado com a praia em geral. Apesar dos cachorrinhos serem lindos e fofos, eles devem ficar longe da areia. Uma série de microrganismos não age nestes animais, no entanto, quando eles os liberam na areia entram em contato com os seres humanos, provocando estragos consideráveis.

Procure praias limpas e livres de animais. Micoses também são facilmente transmitidas nesta época do ano, devido à transpiração e ao calor. Frequente locais arejados e evite amontoados de pessoas. Não use duchas públicas sem chinelos e fique de olho na higiene da barraquinha em que você irá comer. Intoxicações alimentares são muito comuns neste período. Estas são algumas dicas para quem deseja passar o verão longe de complicações. Cuidar da saúde é simples, fácil e fundamental.

 

Fonte:  www.saudemedicina.com (Julia Muller)


30 out 2014

Medos infantis


aaa

Mamães, esta semana li um artigo no Baby Center, um dos meus sites de consulta preferido e achei este artigo sobre os medos em nossos pequenos, como a grande maioria das crianças passam por esta fase quis compartilhá-lo com vc´s…

Se algo apavora seu filho, não pense duas vezes em fazer aquilo que, instintivamente, você tem vontade de fazer: abraçá-lo e confortá-lo. Mas não pare por aí. Use a criatividade para ajudar seu pequeno a superar os medos. Tente as seguintes estratégias:

Reconheça o medo do seu filho

Alguns dos temores do seu filho, como o de perder você, são bastante concretos, e negá-los não é realista. Assim sendo, o simples ato de ver você desaparecer por alguns minutos (quando você vai ao banheiro) já é suficiente para deixar seu filho transtornado. Em vez de aproveitar um minuto de distração para dar uma “escapadinha”, conte antes o que vai fazer para preveni-lo. “Eu sei que você fica preocupado quando não vê a mamãe, mas a mamãe sempre deixa você em um lugar seguro. Agora preciso ir ao banheiro e já volto”.

Converse, converse, converse

As crianças pequenas contam com muita imaginação e poucas palavras, então não é de surpreender que tenham dificuldade para expressar o que sentem. Auxilie seu filho a botar para fora suas emoções, conversando sobre elas. Use palavras simples e diretas. Conversas longas e complicadas só aumentam a confusão.

Se o que o apavora é um ser imaginário que mora dentro do armário, por exemplo, tente investigar o que, exatamente, o assusta: “Como é esse monstro? Tem pés grandes, muitos dentes, faz um barulho terrível?”. A intenção é ajudar seu filho a achar as palavras para descrever seus medos, e oferecer seu apoio para tentar acalmá-los. Fale também sobre outros tipos de emoções. “Você está louco para ir ao zoológico, não é? É o seu lugar favorito?”. É importante dar a mesma quantidade de atenção ao seu filho quando ele está se sentindo contente, satisfeito e seguro, para não incentivá-lo, sem querer, a se assustar demais.

Prepare antes de sair de casa ou de receber visitas

Se ele fica acanhado sempre que vai a um lugar diferente ou encontra alguém que não conhece, tente diminuir a ansiedade antes do encontro ou da saída. Antes de ir à uma festinha de aniversário, por exemplo, fale sobre as pessoas que ele conhece que estarão presentes e mencione as outras que ele vai rever. Explique por que é importante e educado cumprimentar todo mundo e olhar para as pessoas quando elas falam com a gente.

Vá com calma nas transições

Mudanças e transições são difíceis para todos, e mais ainda para as crianças pequenas. Tente apresentar as mudanças aos pouquinhos. Não empurre seu filho para dentro de um ambiente desconhecido, ou deixe que uma pessoa que ele não conhece se aproxime demais.

Se ele “congela” quando chega no parquinho, primeiro sente com ele na areia e deixe que ele brinque no seu colo. Quando ele estiver mais à vontade, passe alguns minutos brincando ao lado dele, depois afaste-se um pouco (sempre conversando tranquilamente) e termine sentada em um banco a poucos metros de distância.

“Ensaie a separação”

Ensine seu filho a tolerar sua ausência na base da brincadeira. Quando ele estiver descansado e de bom humor, marque um minuto no cronômetro do microondas da cozinha ou outro que tiver e saia da sala. Diga para ele ficar de ouvido atento ao barulhinho do tempo e apareça de novo assim que o timer apitar. Se ele não tolera ver você sair da sala, faça ao contrário, e diga para ele sair enquanto você espera.

Aos poucos, conforme ele se sentir mais seguro, aumente o tempo da separação. Este exercício ajuda seu filho a entender a sequência. Assim, da próxima vez que vocês se separarem, ele conhecerá a ordem dos acontecimentos: você sai, passa um tempinho fora e volta. Sabendo o que esperar, ele tende a lidar melhor com os momentos de separação.

Dê tchauzinho na despedida

Se seu filho faz aquele berreiro sempre que você sai, você pode achar que é mais fácil sair escondida, enquanto ele está distraído. Não caia nessa tentação! Isso só vai fazer com que ele fique ainda mais grudado em você, pois aumentará seu medo de que você desapareça quando ele não estiver olhando ou menos esperar.

Em vez de “fugir”, dê um tempinho para que ele se acalme, depois se despeça rápida e alegremente. As despedidas dramáticas e prolongadas, do tipo “mamãe também vai morrer de saudades”, só dificultam as coisas. Não esqueça de dizer a seu filho quando você vai voltar, em termos que ele possa entender. Algo como: “A mamãe precisa sair, mas vou voltar depois que você almoçar e tirar uma soneca”.

Ofereça um objeto que “substitua” seu carinho

Paninhos, bichinhos de pelúcia e outros objetos de transição costumam ajudar crianças a tolerar melhor as separações e os medos noturnos. Se seu filho tem um boneco ou objeto especial, incentive esse apego. O mundo lá fora parecerá menos assustador quando ele estiver abraçando o seu bichinho favorito.

Acalme os temores noturnos

Se seu filho morre de medo dos monstros que moram debaixo da cama, tranquilize-o dizendo você vai se encarregar de manter os danados longe dele. Faça do quarto dele um lugar aconchegante e confortável. Compre lâmpadas noturnas para iluminar os cantos onde pode haver sombras estranhas. Coloque um cartaz na porta do armário escrito: “Monstros não entram!” E procure não deixar seu filho assistir filmes ou ouvir histórias que possam assustá-lo.

É importante, também, criar uma rotina par dormir- deixando tempo suficiente para um banho relaxante, uma história e um colinho antes de apagar as luzes — e segui-la todas as noites. Outra dica para que seu filho vá para a cama mais tranquilo é tentar manter o fim do dia o mais calmo possível (essa não é a hora de entrar em discussões com seu parceiro, por exemplo).

Leia e entenda o que são os terrores noturnos, diferentes do simples medo antes de dormir.

Ajude seu filho a entender os pesadelos

Os pesadelos são relativamente raros entre as crianças pequenas, mas se seu filho tiver, faça o possível para explicar que não foi real, por mais vívido que tenha parecido. E fique com ele até que ele tenha se acalmado o suficiente para voltar a dormir. Se o pesadelo se repete, converse sobre isso durante o dia (quando a lembrança não é tão assustadora).

Depois de identificar o que aconteceu no sonho, pergunte a seu filho: “O que você acha que você pode fazer no sonho para se defender (ou se ajudar)?”. Se ele sonha que alguém o persegue, por exemplo, sugira que ele “pegue” um cachorro para afugentar o perseguidor.

Conte uma história

Uma ótima maneira de explicar coisas assustadoras e acalmar seu filho é contando histórias. Por exemplo, se seu pequeno se apavora durante um temporal, invente uma historinha sobre um passarinho que também está assustado com a chuva, mas acaba se acalmando quando a mãe dele o protege bem pertinho do corpo dentro de um buraco no tronco de uma árvore.

Comemore os feitos e não ria dos medos 

Aplauda todas as realizações de seu filho, mesmo os feitos mais pequenos, como ter empilhado bloquinhos de plástico um em cima do outro, e nunca zombe de seus medos (isso só aumenta fobias). Estimule a auto-confiança festejando sua coragem de enfrentar as profundezas da banheira, por exemplo, e pode ser que da próxima vez ele até resolva entrar na piscina com você.

Não exija coragem

Alguns pais obrigam os filhos a enfrentar seus medos, porque querem que eles sejam independentes, mesmo quando ainda não estão prontos para isso. Só que essa estratégia quase nunca dá certo. Se você forçar uma criança apavorada a descer o escorregador de qualquer jeito, ela não só se sentirá mal, mas passará a ter medo de você, além do escorregador. Permita que seu filho desenvolva naturalmente sua autonomia, ao seu próprio ritmo.

Seja um bom exemplo

Seu filho aprende observando você. Se você pula quando escuta um trovão, nunca sai de perto enquanto ele brinca, prolonga demais as despedidas, ou larga um “agora que a mamãe chegou vai dar tudo certo” sempre que ele enfrenta um desafio, você reforça a ideia de que há muitas coisas assustadoras na vida e que só você pode protegê-lo. Mas se você enfrenta situações desconhecidas com calma e confiança, com o tempo ele aprenderá a se comportar da mesma maneira.

Lembre-se também de que, como as crianças pequenas sentem tudo tão intensamente, até mesmo um medo natural pode parecer exagerado para você. De modo geral, porém, as fobias de uma criança pequena só se tornam preocupantes se elas chegam a imobilizá-la, atrapalham seu sono, ou a impedem de curtir a companhia de amigos e parentes. Se você não está conseguindo acalmar os medos do seu filho, mesmo cobrindo-o de atenção e apoio, é bom consultar o pediatra.


28 out 2014

Como enlouquecer seu homem


como-enlouquecer-um-homem-na-cama

No início da relação, alguns detalhes pessoais que faziam com que o sexo entre vocês fosse uma experiência única. Agora, com o passar do tempo, nada é como antes. A magia se perdeu e você não sabe como reverter essa situação. Em primeiro lugar, independente de qual seja o motivo, não se sinta culpada ou insegura. Saiba que isso é natural e que sempre é tempo de aprender coisas novas, desvendar curiosidades, redescobrir seus corpos e encantos, e voltarem a se ver sob novos olhares.

Alcançar o ápice do prazer em todos os sentidos é o que promete a escritora Tina Robbins em seu livro “201 maneiras de enlouquecer um homem na cama” (Editora Universo dos Livros no Brasil), que tem dicas e segredos para levar o parceiro à loucura. “Mesmo se o sexo estiver maravilhoso, sempre é possível aprender com ajuda de sua curiosidade e das dicas deste livro prático para seduzir e aumentar sua segurança na cama”, afirma.

Dicas de sexo para mulheres

- Tenha a mente aberta

O sexo está na mente. Por isso, atitudes repressivas adquiridas ao longo da vida muitas vezes acabam atrapalhando. Passe a levar em conta o fato de que, em relação ao sexo, tudo está certo, desde que seja feito com liberdade. Você possui o direito de desfrutar do seu corpo e do corpo do parceiro. Estimule a imaginação e a fantasia e confie em você. Não se preocupe com gordurinhas ou pequenas imperfeições e, assim, sentirá mais prazer. Uma mulher segura de si, com uma atitude positiva, se tornará extremamente sexo e provocante.

- Concentre-se nele

Colocar toda a atenção no parceiro é o caminho mais direto e eficaz para acender a libido masculina. Deixe de lado todos os problemas pessoais, pare de pensar nos compromissos futuros e dedique-se totalmente ao momento. Ao se entregar, o homem irá se sentir o melhor amante que existe, o mais desejado. E fique atenta às carícias. Se um homem acaricia determinada parte do seu corpo, é porque ele também gostaria de ser acariciado nessa mesma parte e do mesmo jeito que faz com você. Por isso presta muita atenção a cada atitude dele, é um termômetro do prazer.

- Falem sobre suas fantasias

Falar sobre sexo com o homem é importante, desde que seja de forma natural e segura. Mostre que, assim como ele, você também tem suas fantasias, sem esconder nenhum detalhe. Isso é estimulante! Peça a ele que também se abra com você e preste atenção enquanto ele fala. Ele irá supor que, se você tem curiosidade pelas fantasias dele, é porque deseja realizá-las. É claro que você não precisa fazer algo que não queira, mas tente se abrir e embarcar em novas idéias.

- Tome a iniciativa

Não fique esperando que o homem tenha uma atitude. Surpreenda-o! Há várias formas para motivá-lo. Pode ser desde algum plano mais ousado, ou mesmo atitudes simples, como mandar muitas mensagens eróticas ao longo do dia ou ligar dizendo coisas apimentadas. Excitá-lo em público, de forma discreta, é claro, também pode ser muito estimulante. Tente sempre convites diferentes que faça com que ele saia da monotonia. Na hora H, vale um banho irresistível juntos, uma rapidinha na pia do banheiro ou no carro, preparar um cenário inusitado, caprichar na iluminação, fazer uma massagem e até usar brinquedinhos eróticos.

- Divirta-se

Existem vários tipos de brincadeiras que transformam um sexo em um momento descontraído e muito mais excitante. Use a imaginação e pense em situações divertidas, como, por exemplo, brincar de esconde-esconde pela casa com as luzes apagadas; fazer um jogo erótico com dados que tenham figuras sugerindo o que fazer – e em que parte do corpo fazer; escrever cartas bem picantes dizendo tudo o que gostaria de realizar na cama com ele; fazer um striptease; propor um jogo de perguntas em que o vencedor ganha o direito de ter o outro como seu escravo sexual; e muitas outras possibilidades.

Fonte: http://www.bolsademulher.com/


27 out 2014

A primeira Melissa a gente nunca esquece!!


Mamães, olha que bacana, a Melissa desenvolveu uma sapatilha para as recém nascidas, já poderem sair da maternidade com suas sapatilhas de borracha! Com a Melissa My First Mini Melissa, sua bebê terá uma sapatilha feita especialmente para ela, na cor rosa e um delicado lacinho duplo na ponta do pé.

Me digam se não é um must, para as mamães fashionistas que amam estar antenadas com as tendencias!!

Bjo, bjo

 

 

Melissa My First Mini Melissa

Vejam abaixo mais modelos para as mais crescidinhas :-))

Mini Melissa Laço Lilas Mini Melissa Ultragirl Urso Mini Melissa Furadinha Flor

 


23 out 2014

Independência do bebê


Uma vez que seu bebê perceba que consegue vestir as calças sozinho, abrir a porta, ou comer, certamente ele vai insistir para fazer tudo sem a sua ajuda. E, nem sempre, as tentativas serão bem sucedidas, o que pode provocar a frustração do seu filho e atrasar seus horários. Provavelmente, seu bebê vai resistir a qualquer oferta de ajuda.

Você tem que ter em mente que, como qualquer aprendizado, a prática leva à perfeição. Consiga tempo e paciência extra para deixar seu filho aprender. Tente dar dicas ao invés de fazer por ele. Quando ele teimar em escolher as próprias roupas, não seja tão rígida nas combinações malucas mas deixe claro que uma roupa de festa não deve ser usado para brincar no parque, por exemplo. Ajude-o a ter sucesso comprando roupas fáceis de vestir. Opte, por exemplo, por elásticos na cintura ao invés de botões ou zíperes. Nos sapatos, tente velcro no lugar de cadarços.

Enquanto estiver ajudando seu filho a se virar sozinho, lembre-se que esses pequenos e lentos passos servem para construir a autoestima. Ele aprenderá que trabalhar duro é recompensador e que é preciso de várias tentativas mas o sucesso chega. Deixar que a criança faça suas próprias escolhas, seja na roupa ou no que comer de café da manhã, aumenta a capacidade de decisão.

Mas não se preocupe se seu filho vai de acordo com a maré e não demonstra ainda personalidade forte. Crianças têm temperamentos diferentes e isso precisa ser respeitado. Mesmo que ele não peça, dê opções e chances para ele fazer as próprias escolhas e elogie suas decisões. Elogie também quando a criança demonstrar iniciativa. Isso o ajudará a se tornar um adulto mais seguro.

Gueek

 

Fonte: http://guiadobebe.uol.com.br/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Página 5 de 243« Primeira...34567...102030...Última »